Largo do Boticário, descubriendo el Río colonial


Escondido detrás de Corcovado, en el barrio de Cosme Velho de Rio de Janeiro hay un cuadrado, se llama Largo do Boticário y conserva la esencia del pasado colonial de la ciudad en sus coloridos edificios.

Largo do Boticário se nombra en honor a los portugueses Joaquim Luiz da Silva Souto quien previamente dirigió un boticário, (una farmacia) donde producía medicamentos y ungüentos para la familia real.

Tabla de contenidos

Largo do Boticario

Caminando por los edificios ahora en ruinas, uno de los edificios que merece ser visitado es En Casa Cor-de-Rosa, que perteneció a la periodista brasileña Sylvia de Arruda Botelho Bittencourt y su esposo.

los casas pintadas con colores brillantes son una perfecta representación deArquitectura colonial portuguesa de finales del siglo XVIII. La plaza es un tranquilo oasis verde en el centro de la ciudad. El rugido del río que se puede escuchar desde el bosque cercano y los coloridos edificios ahora en un estado de abandono hacen que este lugar sea verdaderamente fascinante.

A partir de hoje a nossa página muestra um especial com como cuatro casas hacen lendário Largo do Boticário que pertencem à Sybil Bittencourt. Os imóveis estão localizados na altura do nº 822, de Rua Cosme Velho. Instaladas em meio à exuberante Mata Atlântica as residências, em estilo neocolonial, foram erguidas entre a segunda metade do século XIX y as três primeiras décadas do século XX. Una familia de Sybil, hoje con 93 años, fue dona do extinto jornal Correio da Manhã y ela diz ser a primeira mulher a cruzar o Oceano Atlântico de avião graças à amizade de seus pais con Alberto Santos Dumont (1873-1932). Viúva três vezes, Sybil também perdu seus dois filhos e hoje, su familia si resume a duas netas e uma bisneta que não moram no Rio de Janeiro. Encerrado, ela pouco conoces de uma das casas, ondas vivas de maneira bem simples com dois empregados y suas memórias de um passado de luxo. O Largo, que já serviu de locação para o filme 007 contra o Foguete da Morte (1979), es bem diferente dos tempos em que exibia fachadas impecáveis ​​e bem conservadas. Moradores do bairro e visitantes se deparam com um cenário bucólico y ao mesmo tempo deteriorado das casas. Janelas y marqueses ameaçam desfazer-se e desabar de tão apodrecidas, enquanto o mofo ea vegetação se infiltram nas construções. A proprietária alega que não tem dinheiro para fazer a manutenção dos imóveis y pagar os impostos devidos. As quatro casas, a venda pela Sérgio Castro Imóveis – A Empresa que Resolve., Por R $ 18 milhões, possuem juntas 3.700 m2 de terreno construido en un terreno de 6.300m2, aproximadamente 5.200 m2 de flores y jardines nativos. Como fotos a Seguir são da casa nº 20 do Largo do Boticário. Ela es una maior de todas (búsqueda de 1.300m2) y aparentemente una caçula do grupo. Seu interior es impresionante y cheio de elementos que empolgam some pessoa que tem o privilégio de visitá-la. Sybil Bittencourt nació y foi criada nesta mansão, que pertenceu aos seus pais, e que há busca de 20 anos encontra-se vazia y abandonada. En 1996, el chegou se basó en Casa Cor Rio de Janeiro. Básicamente uma joia sufre con ação do time. #cosmevelho #riocasaseprediosantigos #largodoboticario

Una foto publicada por Rio – Casas y Prédios Antigos (@riocasaseprediosantigos) el 5 de agosto de 2016 a las 8:41 am PDT

Su posición algo escondida, a la sombra de Corcovado, hace de este lugar una parada interesante para aquellos que quieran explorar los barrios más tradicionales de Laranjeiras y Cosme Velho.

Lejos de las concurridas playas de vendedores ambulantes y calles concurridas, puede experimentar el espíritu de lo que fue el Río de Janeiro colonial. Los pintores y marchantes de arte que viven en la zona son muy acogedores y te permitirán visitar sus casas a cambio de una pequeña propina.

Outros Ríos

Una foto publicada por Amanda Previdelli (@aprevidelli) el 8 de agosto de 2016 a las 8:50 am PDT

Telhas coloniais from home 20 do Largo do Boticário.A partir de hoje a nossa página mostrará un com especial como cuatro casas do lendário Largo do Boticário que pertencem à Sybil Bittencourt. Os imóveis estão localizados na altura do nº 822, de Rua Cosme Velho. Instaladas em meio à exuberante Mata Atlântica as residências, em estilo neocolonial, foram erguidas entre a segunda metade do século XIX y as três primeiras décadas do século XX. Una familia de Sybil, hoje con 93 años, fue dona do extinto jornal Correio da Manhã y ela diz ser a primeira mulher a cruzar o Oceano Atlântico de avião graças à amizade de seus pais con Alberto Santos Dumont (1873-1932). Viúva três vezes, Sybil também perdu seus dois filhos e hoje, su familia si resume a duas netas e uma bisneta que não moram no Rio de Janeiro. Encerrado, ela pouco conoces de uma das casas, ondas vivas de maneira bem simples com dois empregados y suas memórias de um passado de luxo. O Largo, que já serviu de locação para o filme 007 contra o Foguete da Morte (1979), es bem diferente dos tempos em que exibia fachadas impecáveis ​​e bem conservadas. Moradores do bairro e visitantes se deparam com um cenário bucólico y ao mesmo tempo deteriorado das casas. Janelas y marqueses ameaçam desfazer-se e desabar de tão apodrecidas, enquanto o mofo ea vegetação se infiltram nas construções. A proprietária alega que não tem dinheiro para fazer a manutenção dos imóveis y pagar os impostos devidos. Como cuatro casas, una venda pela Sérgio Castro Imóveis, por R $ 18 milhões, posuem juntas 3.700 m2 de terreno construido en un terreno de 6.300m2, con aproximadamente 5.200 m2 de flores y jardines nativos. Como fotos a Seguir são da casa nº 20 do Largo do Boticário. Ela es una maior de todas (búsqueda de 1.300m2) y aparentemente una caçula do grupo. Seu interior es impresionante y cheio de elementos que empolgam some pessoa que tem o privilégio de visitá-la. Sybil Bittencourt nació y foi criada nesta mansão, que pertenceu aos seus pais, e que há busca de 20 anos encontra-se vazia y abandonada. En 1996, el chegou se basó en Casa Cor Rio de Janeiro. #telhas #largodoboticario #arquitetura #casas #riocasaseprediosantigos #colonial

Una foto publicada por Rio – Casas y Prédios Antigos (@riocasaseprediosantigos) el 5 de agosto de 2016 a las 3:14 pm PDT